Safra 2017/18 tem aumento de 22% no número de casos registrados de ferrugem asiática no Paraná

0
15

O excesso de chuvas gerou uma redução de 14% na produção estimada para primeira safra de feijão no Paraná e passou a ameaçar as culturas de soja e de milho. O clima está úmido e com pouca luminosidade há 40 dias, o que atrapalha a entrada do maquinário no campo para a colheita ou o combate a pragas e doenças, além de prejudicar o desenvolvimento das plantas. Por fim, há atraso que aperta as janelas de plantio nos períodos de melhores condições da segunda safra para o feijão e o milho.
Não há perdas confirmadas em relação ao milho e à soja. Porém, houve disparada no número de casos registrados de ferrugem asiática no Paraná, com 104, de acordo com o Consórcio Antiferrugem. É mais do que os 85 de toda a safra anterior. Outros problemas encontrados foram o abortamento de vagens e maior incidência de pragas como a lagarta e o percevejo na soja, além da perda de produtos aplicados sobre o milho, que são levados pela chuva.
O economista Francisco Simioni, chefe do Deral (Departamento de Economia Rural) da Seab (Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento), afirma que é preciso lembrar que a safra anterior foi “extraordinária” em praticamente todas as culturas, justamente pelas boas condições climáticas. Mesmo assim, diz que o agronegócio passará por momentos de apreensão nas próximas semanas. “Ao menos 30% da área plantada de soja ainda precisam de luminosidade boa e de um tempo bem equilibrado para termos a produtividade média de 3,5 mil quilos por hectare”, diz.

Simioni se adianta em dizer que não é possível falar em quebra de safra, mas em perdas de produtividade e de qualidade, até o momento. Sobre as culturas de segundo ciclo, ele considera apenas os prazos “mais apertados”. “O clima ainda não permitiu que o plantio da segunda safra de feijão deslanchasse como em 2017, mas esses produtores são altamente profissionalizados porque buscam ganhos em 90 dias. Pode ser que gere uma pressão sobre o milho, que tem uma janela curta”, cita. “Mas vamos ter cautela até o relatório do Deral de 21 de fevereiro”, completa o chefe do órgão.

Perdas pontuais
Para o professor de economia Eugenio Stefanelo, da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e da FAE, as perdas são pontuais, ainda que exista uma dificuldade maior no combate a pragas e doenças. “No caso específico da soja e do milho, a falta de luminosidade pode alongar o desenvolvimento da planta e atrasar o plantio da segunda safra, além de o excesso de chuvas levar ao abortamento de vagens, principalmente na parte inferior da planta.

Fonte: ‘’ Folha de Londrina ‘’
Site: Coamo

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here