Doença de Lyme – Como identificar nos cães

0
58

Entenda o que é a doença de Lyme e saiba como identificá-la no seu cachorro.
É de conhecimento comum que carrapatos podem significar grandes riscos ao bem-estar dos nossos pets. Agentes transmissores de doenças como a babesiose e a erlichiose, comumente conhecidas como as doenças do carrapato, estes parasitas também podem ser responsáveis por ocorrências como a paralisia do carrapato e a doença de Lyme, que vamos tratar aqui.
Também conhecida como borreliose, a doença de Lyme é causada por uma bactéria chamada Borrelia burgdorferi, que é transmitida aos animais através da picada de um carrapato infectado. Ao atingir o hospedeiro, a bactéria pode causar desde uma artrite até quadros graves de encefalite (infecção cerebral) que podem levar ao óbito do animal acometido. Sendo uma zoonose, seres humanos também podem adquirir a doença de Lyme através da picada do carrapato, podendo, dependendo do estágio da doença, tratá-la com antibióticos.
A doença de Lyme acomete, essencialmente, cachorros, equinos, bovinos e seres humanos.Após a picada do carrapato, a Borrelia burgdorferi invade as células do pet, atacando, em seguida os tecidos. Ainda que haja resposta do sistema imunológico, a bactéria pode se mostrar resistente e estabelecer uma infecção no organismo.

O ataque ao organismo ocorre de forma semelhante em cachorros e humanos, sendo que as pesquisas sobre a doença de Lyme em gatos são escassas, acreditando-se que os felinos sejam mais resistentes à bactéria e apresentem sinais clínicos menos evidentes. Em cadelas prenhes, é possível que ocorra a infecção nos filhotes.
Sintomas da doença de Lyme nos cães
Os sintomas da doença de Lyme em cachorros são diversos, sendo que podemos citar, principalmente:
Febre, vômitos, dor abdominal;
Anorexia, letargia (sonolência exagerada), perda de peso;
Inflamação de diversas articulações;
Há relatos de aborto em caso de cadelas prenhes.
Cães de raças Retriever, como o Labrador e o Golden, tendem a apresentar insuficiência renal aguda e perda de proteínas na urina. O animal que tiver sido picado por um carrapato infectado pode começar a desenvolver os sintomas da borreliose de dois a cinco meses após o contato com o carrapato.

Diagnosticando e tratando a borreliose no seu cachorro
O médico veterinário de sua confiança deve ser consultado assim que você perceber qualquer dos possíveis sintomas da doença de Lyme em seu cachorro. Essa, aliás, é uma recomendação que vale para qualquer comportamento estranho por parte do pet; não o trate por conta própria ao invés de buscar um profissional capacitado a lidar com a saúde do seu companheiro de quatro patas.
O diagnóstico da doença de Lyme é feito através da análise do comportamento do pet até o momento que ele chegar ao consultório, podendo-se constatar se os sintomas estão em nível crônico, agudo ou progressivo.
O médico verificará se o seu pet apresenta inflamação nas articulações e dor excessiva ao apalpá-las. No exame de sangue, haverá apresentação de anticorpos mediante o contato com a bactéria causadora da doença. É frequente que o animal com tais sintomas tenha passado por bosques ou jardins infestados de carrapatos.
Como evitar que meu cachorro pegue carrapatos?
É bastante complicada a missão de exterminar todo e qualquer contato com carrapatos que o seu cachorro possa vir a ter. Estes parasitas são animais pequenos e que podem estar em qualquer local frequentado pelos nossos pets – assim como os pernilongos para nós.
Desde em um passeio ao bosque, uma volta pelo quarteirão ou até mesmo dentro da sua casa, a palavra de ordem é: atenção. Verifique sempre o corpo do pet (sem se esquecer da parte detrás das orelhas e entre os dedos) e, caso encontre um carrapato preso a ele, não se esqueça de que não se deve utilizar pinças normais para retirar carrapatos. Em uma pet shop você pode encontrar pinças especiais para este fim, que garantam a retirada completa do parasita, evitando possíveis infecções no seu amigão, mas, ainda, o melhor recomendado é que o trabalho seja feito por um profissional.
A principal maneira de se prevenir é com coleiras anti-carrapatos, ou medicações em spray ou “pour-on” (aqueles para aplicar na nuca do pet). Deve-se atentar ao tempo de duração de cada medicação, para que seu pet não fique sem proteção durante qualquer período.
Além disso, existem os banhos carrapati-cidas, que garantem a proteção do pet por um determinado tempo e que devem sempre ser feitos sob a supervisão e o consentimento do veterinário, além das dedetizações da sua própria casa, que, do mesmo jeito, só devem ser feitas sob recomendação profissional.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here